segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Prova de Fogo


Quando nos expomos de coração aberto, corremos, desde logo, inúmeros riscos:
Risco de não sermos compreendidos na nossa essência,
Risco de sermos compreendidos, mas não sermos aceites,
(quem foge à regra é por norma, visto de soslaio),
Risco de sermos compreendidos e até aceites mas, de perdermos aquela cumplicidade boa que tínhamos e à qual até já nos estávamos habituando,
ou, até, no limite dos limites, levar-mos um balázio, que é como quem diz em modo civilizado:
"levar um chega-p'ra-lá", discreto ou mesmo, assustadoramente violento.
No entanto, manda a ética e a decência que se respeitem os tempos e as pessoas,
sobretudo se as consideramos e temos gosto na sua amizade!

1 comentário:

  1. Faz parte da condição humana toda essa série de "contradições"...
    Qualquer acção provoca uma reacção natural. Essa reacção é, na maior parte das vezes, de características diferentes umas das outras e, algumas até, parecem mesmo aleatórias.
    Não são. O comportamento do ser humano é dependente, usualmente, das "matrizes" que as suas mentes construiram para se "defenderem" de qualquer acção que lhes é dirigida...
    O "sermos compreendidos" requer muito mais do que a predominância dessas matrizes. Quando actuamos "de coração aberto" só podemos esperar uma reacção "compatível" se, do outro lado, a pessoa reagir também "de coração aberto"...
    Nao se trata de "boa educação" ou "decência". Trata-se apenas de aliar o coração à razão...

    ResponderEliminar

Sinta-se à vontade para comentar como bem entender!

Selinho oferecido pela Verinha

Selinho oferecido pela Verinha
a quem eu muito agradeço!