quinta-feira, 28 de julho de 2011

Forma disforme


Pública forma de mim,
extrapola sombras de um véu moldado,
que cobre espaços de um ser violentado,
no mais íntimo e sublime de si!
Comunhão embrionária que se liquefaz,
em plúmbeos anseios de vendavais inertes,
surreais no âmago mais profundo de um poder
segundo, de um profano lúgrebe,
de gorjeios alados e telões pintados,
de azuis sublimes e perdões jurados..
que não dizem nada mas sublinham sempre,
a tensão da mente, doce, mas cética,
na sua busca intrépida de um presente eterno!

3 comentários:

  1. Uma forma disforme que me ultrapassou.
    Lamento não ter entendido mas terá certamente o significado e intenção que não consegui apreender...

    ResponderEliminar
  2. Damos forma a tudo...
    E sempre buscamos a continuidade a que teimamos chamar indevidamente eternidade.

    ResponderEliminar
  3. This is really a very beautiful blog. I like your work very mush.

    Your header i stunning.

    ResponderEliminar

Sinta-se à vontade para comentar como bem entender!

Selinho oferecido pela Verinha

Selinho oferecido pela Verinha
a quem eu muito agradeço!