sábado, 23 de novembro de 2013

Sem os teus olhos


Faltou um som...
(Aquela palavra animadora, singela.
Cúmplice).
Já que olhar não houve...
Aquele profundo, que diz tudo,
Que anima e envolve,
Que aquece e alimenta a alma,
Fim de semana afora..

segunda-feira, 18 de novembro de 2013

Águas divididas

Que mundo é este que tanto nos assusta...
Que nos faz guardar a nossa intimidade a sete chaves..
Que nos afasta...
Que nos sitia..
Que nos torna ilhas, no meio deste oceano de incertezas... ?

domingo, 10 de novembro de 2013

À Espera de um Boom maior

Sinto que vivo um tempo em que se preparam grandes alterações no mundo. Mas, sem participaçao direta, tudo se resume a uma enorme frustração. O século XIX foi um prodígio de revelações em tantas áreas..., deve ter sido fantástico experienciar a eletricidade, o automóvel, o telefone, tantos eletrodomésticos pela primeira vez - a vida das pessoas mudou radicalmente.. Este século XXI parece preso entre paredes e nós aqui dentro dele, sabendo, qual Júlio Verde, que mudanças incríveis estão quase a chegar, que nos deixarão espantados, que criarão janelas de oportunidade para todos mas.. nada a obteve de interesse, nada muda, nada se altera nesta monotonia gasta que se arrasta, indelével, sem assinatura. Será que não estarei já cá quando a roda der novamente uma volta? 

sábado, 9 de novembro de 2013

Útero Eterno

Era uma bolha, a esfera protetora em que nasceu, cresceu e foi vivendo. Uma bolha fechada com o mundo exterior. A sua origem,ninguem sabe, e se é boa ou má também não. Por instinto, qualquer ser tenta libertar-se, está no seu ADN, mas depois de mil e uma tentativas falhadas, as diferenças entre o que é certo ou errado começam a ser mais ténues e a tentativa de raciocinar por conta própria e discernir, uma perda de tempo. Comer e sobreviver, passam a ser tudo o que interessa, especialmente quando se descobre que fazer ondas, tira a paz e abre feridas permanentes. Tudo se aprende. A paz, o sossego e o silêncio são afinal possíveis; basta abdicar de si e dos seus pensamentos e desejos, que afinal de contas, nem são assim tão importantes. Nessa fase o ser, está quase a deixar de ser.. e, um belo dia, a grande descoberta chega ao consciente limitado com uma forma positiva, e a conclusão está lá, é imediata, a bolha é o universo, e tudo o que está para além dela, já não interessa mais!

sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Sopro de Lispector

Minúsculo é o tempo que vivemos de verdade - pensamento recorrente..
Mas o tempo não existe..
E a verdade também não..
Então ?
Que fazer, que pensar ?
Dramatizar?
Relativizar ?
Ou criar eternidade a cada sopro de vida ?

quinta-feira, 7 de novembro de 2013

Sentidos


 
Os sentidos, destituídos de sentido, procuram sentido no que os rodeia!

sábado, 18 de maio de 2013

Pé, ante pé

Pé, ante pé,
Sorrateiramente,
A medo....
Espreito para dentro de mim:
Coração e cérebro debatem:
O coração, rubro de paixão, indaga:
"Porque continuas tu, oh cérebro a ignorar o que eu sinto !?"
E o cérebro, cheio de razão, responde:
"E tu, velho coração, quando terás tu juízo?"



Voa..

Ultimamente.. sobra o tempo, sobra a vida, e o pensamento aproveita e.. VOA!

sexta-feira, 17 de maio de 2013

Sem valor

Ah.. Sentimento atroz.., de total espectro, que enleva e sublima, que encanta e toca, que nutre e fere, que corrói e mata, .. que não tem valor !?

Selinho oferecido pela Verinha

Selinho oferecido pela Verinha
a quem eu muito agradeço!